As visitas

"Era uma grande casa, a minha, e eu vivia dentro dela com a ideia de viver no mundo todo. Acordava cedo até à hora de almoço percorria metade do mundo, a outra metade até à hora do jantar. Todos os dias.
A sala cheia de vidros e quadros de gôndoolas e açudes, marcava a fronteira entre a metade do almoço e a metade do jantar.
Era uma sala grande, a meio do corredor, que nunca se abria, que nunca era usada, sempre muito fria e escura..."
(...)
Foram todos embora "e ela ficou, no enorme casarão, rodeada de vidros, quadros, retratos, mesas e mesinhas, jarrões, espelhos e armários a abarrotar de roupa por usar. De vez em quando, abria-os e dizia: São para as visitas..."
Alice vieira, in Jornal de Noticias, 14 de Outubro de 2001(texto com supressões)

_____


Estou de passagem... Ela tinha razão, passaram anos e agora não tenho solução senão voltar atrás.
Parti de um mundo à procura de algo melhor, para tentar ser feliz e menos solitário.
Agora, encontro-me novamente aqui e aproveitarei para iluminar partes do meu passado frio e escuro, que nunca foram exploradas. Sem dúvida que encontrarei boas memórias, mas se disser que estou arrependido, minto.
Estou de passagem, pois não posso, nem quero agarrar-me ao passado, tenho que desfazer-me daquela casa. Ela bem tinha razão.
Hoje, bato à porta, um passo em frente para um mundo (quase) todo explorado, um mundo do meu passado.
Ao fundo do corredor, estará ela e eu serei aquela visita que ela sempre quis receber, sempre...


Teste de Português, 10º ano, composição baseada na obra "As Visitas"

1 Sonhos:

*Maluh Mah* Marinha Luiza | 2 de junho de 2010 às 04:17

Que texto bonito...
Gostei mesmo *-*

Enviar um comentário